Como deixar o emprego sem problemas

boneco abandonando a empresa

Em contraste, por exemplo, do Japão, em nossas latitudes, a contratação ao longo da vida é uma maravilha. Mais cedo ou mais tarde chega um momento em que é hora de deixar a empresa – mesmo a amada e seus colegas – até mesmo os melhores do mundo, para avançar ainda mais em seu desenvolvimento.

Como entender que é hora de mudar o local? Deixe o escritório, mas mantenha o relacionamento? Que problemas podem ser encontrados e como resolvê-los, pedimos aos nossos especialistas – Anna Melamed, coach de carreira e coach de auto-realização, e Sergey Protsenko, conselheiro de carreira.

1. Trabalhar até querer fugir

Às vezes tendemos a cortar o ombro. Mas às vezes chegamos ao outro extremo: carregamos uma mala sem alça por longos quilômetros. Ou você mesmo se torna uma mala tão “tóxica” para os colegas. Anna Melamed está convencida: deixar a empresa a tempo é uma arte. “Você não precisa escrever uma carta de renúncia na primeira situação difícil ou de conflito. Resolva problemas e concorde, observa o especialista. “Mas é importante aprender como controlar se há algo mais neste trabalho para o qual você veio aqui.”

O especialista lembra que todos têm seus próprios motivos: dinheiro, conhecimento, carreira, status ou desenvolvimento. “Se você entende que não está mais” quente “neste trabalho, não há necessidade de acumular esses sinais”, conclui o especialista. Segundo Anna, um dos “faróis” internos mais visíveis sobre a necessidade de mudar alguma coisa é o tédio. “Mesmo se você ainda parece legal para os outros, mas você está entediado – não ignore seus sentimentos”, diz o especialista.

Razões para sair podem ser externas. Por exemplo, a deterioração das condições de trabalho ou a situação no mercado em que você trabalha, uma mudança de equipe ou líder e, depois, a abordagem de gerenciamento. “Se você entende que não pode influenciar as condições externas alteradas ou se adaptar a elas, – comece a olhar para as vagas”, – recomenda o treinador.

Anna Melamed acredita que é melhor dizer adeus à empresa quando sente a sua força, sente-se confiante em si mesmo, percebe os seus objetivos, mas, por algum motivo, não consegue perceber tudo isso num determinado emprego. Você não deve levar a situação à exaustão, à perda de valor – e à profissão, e à dele como especialista.

2. Remova os óculos cor de rosa

Às vezes, a decisão de uma pessoa de sair do trabalho é ditada pelo sentimento de que somos subestimados. Muitas vezes é – mudando a empresa, você pode obter melhores condições e salários mais altos.

Mas não há garantia: antes de mudar o empregador, não faz mal avaliar objetivamente o seu histórico, rever os currículos e vagas com dados semelhantes e o nível de pagamento para eles, talvez para algumas entrevistas. Pode acontecer que o candidato esteja em grande demanda. Ou talvez tenhamos que encarar a verdade e admitir que o atual empregador reavalia seu funcionário muito bem. E pense no momento de atualizar as habilidades.

3. Faça uma escolha – um voto de silêncio ou cartas na mesa

O período em que uma pessoa deixa a empresa muitas vezes se torna um teste decisivo de seu relacionamento com a equipe e o líder. Mas mesmo que o relacionamento seja excelente – devo denunciar imediatamente a decisão de deixar meu empregador atual? Sergei Protsenko com certeza não. “Até que você atinja pelo menos um acordo de princípio com um novo empregador”, esclarece o especialista. Em sua opinião, tendo manifestado sua intenção, uma pessoa muitas vezes se torna um “estranho” para um gerente e seus colegas, mesmo que até esse ponto as relações fossem boas. “Mas o principal risco é que você não sabe quando vai encontrar um novo emprego e se vai encontrá-lo”, observa Sergey.

A decisão ainda revela algumas vantagens sobre sua aposentadoria? “Apenas uma oportunidade para realizar palestras sobre aumento salarial e melhoria de outras condições de trabalho significativas para você”, acredita o especialista. Mas essa oportunidade não abre para todos, mas apenas para os funcionários mais valiosos, por exemplo, com o conhecimento e a experiência críticos da empresa.

É verdade que o especialista observa que o silêncio não dá 100% de garantias para manter sua intenção secreta das pessoas ao seu redor: às vezes, uma pessoa dá comportamento. Shuukane ao telefone com recrutadores ou pedindo entrevistas sob vários pretextos. O empregador pode descobrir sobre sua decisão com a ajuda de colegas de quarto.

4. Procure por um tesouro debaixo da casa

A melhor luta é aquela que não aconteceu. Às vezes, essa regra é válida na busca por um novo emprego.

Imagine que você tenha sorte. A empresa aprecia você e não é costume ver a demissão como traição. Ex-colegas facilmente chegam à luz e ninguém os vê como um lobo. A razão para querer sair pode ser a sensação de um “teto”, quando parece que não há mais onde crescer. Com bons relacionamentos, faz sentido discutir suas perspectivas com um gerente ou gerente de RH. Claro, existem gerentes que podem perceber tais ambições de um subordinado negativamente. Então a decisão de sair parece justificada.

Mas gerentes competentes valorizam as pessoas que estão se esforçando para desenvolver e entender: é melhor ajudar uma pessoa a encontrar novas oportunidades em uma empresa do que perdê-la completamente. A principal coisa – para declarar seu desejo de crescer e confirmar seus resultados. Para entender o que exatamente está faltando – de repente esse desejo pode ser realizado no atual local de trabalho? Por exemplo, torne-se um mentor para um recém-chegado, participe da rotação de funcionários entre departamentos, junte-se à equipe de um projeto multifuncional ou até mesmo qualifique-se para realocação para outro país, se o negócio for internacional.

5. Notifique as notícias

Se você já recebeu uma grande oferta de outra empresa e está determinado a sair, mais cedo ou mais tarde terá que avisar o gerente. É importante que ele aprenda com você e não ouça acidentalmente na sala de jantar. Além disso, é melhor não no último momento, porque o trabalho sem você precisará ser reconstruído e encontrar um substituto.

É importante conversar com o líder um a um, em um momento relativamente tranqüilo, quando não há mãos de emergência e reuniões importantes. Tente ser sincero, explique as razões para sair – seja de baixos salários, de relocação, de circunstâncias familiares ou de um novo projeto que lhe interesse. Mas para ser honesto – não significa ser rude e, finalmente, derramar todos os insultos do primeiro dia de trabalho.

Dependendo da personalidade do líder, você pode encontrar reações diferentes: de agressão e até ameaças à oferta de ficar, mas com um aumento de salário ou a oportunidade de descansar finalmente em junho, e não em novembro. É importante prever vários cenários e a própria reação a eles.

Muitas vezes, essas conversas são usadas pelos funcionários como um meio de manipulação pelo empregador. Vale a pena fazer – uma questão filosófica. Isso pode funcionar, mas raramente beneficia a longo prazo e, certamente, não melhora a qualidade do relacionamento.

Então, é importante compartilhar as notícias com a equipe – é desejável fazê-lo pessoalmente, reunindo a equipe em um só lugar e preparando-se com antecedência para o questionamento sobre as causas e o novo local de trabalho: muito provavelmente elas serão.

6. Recuse sentimentos de culpa

Muitas vezes, na prática, infelizmente, um funcionário que deixa a empresa é frequentemente considerado um fugitivo. E muitas vezes ele se sente culpado em frente ao empregador e colegas. “As pessoas se sentem culpadas se você deixar a empresa fracassou pacificamente”, diz Anna Melamed. “Ou seja, você precisa completar corretamente todas as relações com a empresa: inicialmente criar acordos com a gerência sobre o processo de demissão, indicar o motivo, transferir os casos, salvar as informações acumuladas, agradecer pela experiência e oportunidades.”

De acordo com as observações de Anna, essas etapas permitem resumir, completar todos os processos e não haverá razão para sentimentos de culpa. Ao mesmo tempo, de acordo com o especialista, deve ser reconhecido: algumas pessoas são por natureza muito leais, e mesmo que todas as etapas da separação tenham sido concluídas adequadamente, elas continuam a se sentir responsáveis ​​pela empresa “abandonada”.

7. Casos de transferência

Para que você não seja lembrado correndo, é importante transferir aqueles que permanecem na empresa para trabalhar. “Antes de tudo, divida sua área de responsabilidade em blocos independentes que possam ser executados em paralelo ou sequencialmente”, recomenda Sergei Protsenko. Por exemplo, para um gerente de RH, essas são áreas como recrutamento, adaptação, treinamento, motivação, eventos corporativos, gerenciamento de registros de pessoal, etc.

Quais das suas tarefas podem ser transmitidas como informação? “Colete uma biblioteca de arquivos e um arquivo de tarefas concluídas e envie esses materiais para aqueles que aceitam seus assuntos”, recomenda o especialista. “E na comunicação pessoal, transfira as tarefas atuais e um algoritmo passo a passo para executar tarefas típicas.” É importante esclarecer o status de cada tarefa – em que estágio ela está localizada.

8. Fique “ligado”

Às vezes, pessoas que antes eram funcionários responsáveis ​​estavam mentalmente em um lugar diferente nos últimos dias, e seu trabalho atual é feito de maneira descuidada. Este aviso colegas. É melhor se reunir e terminar o trabalho.

Notifique os clientes e parceiros externos com quem você trabalhou e que você saiu da empresa. Apresente-lhes o colega que vem substituí-lo: isso simplificará a comunicação no futuro e, com isso, você mostrará que se importa. Deixe para que o caso, contatos importantes, informar sobre as nuances de trabalhar com um cliente em particular. Você pode se oferecer para ligar em caso de dúvidas no futuro. É claro que, no novo emprego, você tem muitas de suas preocupações, mas as pessoas valorizam essas ações e provavelmente não serão abusadas.

Exclua informações pessoais do seu computador. Se em seus assuntos a desordem pitoresca reina – tente sistematizá-los todos da mesma maneira. Além disso, se as coisas estiverem em ordem, depois de sair, você será chamado para descobrir o que há de novo e não descobrir onde essa “pasta vermelha muito importante” foi armazenada.

9. Deixe um sucessor

O princípio “Eu estou saindo – e não há muito grama para crescer” não funciona no pequeno mundo da comunidade profissional. Esta não é a melhor abordagem para construir uma imagem. Se você valoriza quase a antiga empresa, é lógico deixar um sucessor após a sua partida.

Em muitas organizações, esse processo é entrelaçado no trabalho diário, existem sistemas para sucessão e treinamento de reserva de pessoal. E se não, por exemplo, você pode voluntariamente transferir conhecimento para um de seus colegas ou recomendar um especialista familiar de outra empresa para o seu local. Ou até de você mesmo: os gerentes podem não conhecer seus colegas de outras funções, assim como você. Neste caso, preste atenção aos seus superiores e gerentes de RH.

Passar o bastão não é um dever, mas um direito. Mas não vamos esquecer que o relacionamento com a empresa não termina com o dia da demissão. Em particular, você ainda precisará de recomendações para futuros empregadores.

Aliás, isso também é importante: pergunte antecipadamente ao gerente e aos colegas se eles podem lhe dar recomendações e agradeça-os em caso de concordância.

10. Não queime pontes

O mundo está mudando: hoje, as empresas e os funcionários têm menos probabilidade de colocar um período em suas relações, e cada vez mais frequentemente – uma vírgula. Ex-funcionários podem ser contratados por uma empresa mais de uma vez.

Seja para aceitar os “retornados”, ou seja, para dar uma segunda chance – os empregadores tratam isso de forma diferente. Algumas pessoas são categoricamente contra isso, outras levam em conta a situação – o valor do especialista e o motivo da sua partida: se isso não é um escândalo e a busca de si mesmo, então por que não? E há empregadores que deixam a porta totalmente aberta: eles prometem não contratar ninguém no empregado de saída por algum tempo para lhe dar uma chance de voltar se algo der errado com a nova empresa.

Mas um funcionário em tempo integral não é o único papel no qual retornar. Ex-funcionários se tornam valiosos consultores, parceiros confiáveis ​​e clientes fiéis. Algumas empresas criam ex-funcionários da comunidade – convidam os formandos para “reuniões” e compartilham notícias, ou esses “clubes de exames” são criados por iniciativa dos funcionários.

11. Proteja suas fronteiras

Muitos empregadores consideram a demissão como uma traição. Segundo Sergei Protsenko, em 80% dos casos. “É assim que funciona o mundo corporativo:“ quem não está conosco é contra nós ”, o especialista compartilha suas observações. – Evitar o papel do “extremo” é difícil em princípio, já que o empregador está em uma posição forte em relação ao empregado. O cálculo de bônus, a emissão da parte “cinza” do salário, o registro de emprego e muito mais podem depender do humor do gerente. ” Segundo o especialista, é importante apostar na diplomacia e na criação de acordos claros para o período de saída da empresa.

O que fazer se o empregador na pessoa dos colegas e da cabeça tentar “punir” o empregado que está saindo, finalmente colocando um máximo de responsabilidade e tarefas sobre ele? Assine um pacto. Fale e, em seguida, certifique-se de listar exatamente o que você tem tempo para fazer antes de concluir o trabalho na empresa. Insista em quantidades realistas de trabalho, prometa entregar corretamente o caso e cumprir essa promessa. Siga as vogais da empresa e regras tácitas, não se envolva em conflitos de outras pessoas. Isso aumentará suas chances de uma separação civilizada e a preservação de suas próprias fronteiras.

12. Primeiro acenda a luz.

Muitas vezes, a causa da demissão torna-se profissional. Neste caso, a demissão não resolverá o problema – a pessoa levará com ele. “O desgaste é caracterizado por confusão, devastação, perda de pontos de referência externos e suporte interno”, explica Anna Melamed.

De acordo com as observações do especialista, se tal estado é prolongado, a pessoa pode não perceber isso, mas o esgotamento não pode ser escondido dos outros. “Na entrevista, o candidato neste estado não se mostrará do melhor lado, ele não será capaz de formular suas conquistas e planos”, observa Anna. E ele acrescenta: mesmo se você ensaiar um discurso para uma entrevista, cerca de 70% da informação é lida não-verbalmente. “Tal condição de não-recurso irá alienar o empregador”, o especialista está confiante. – E se o candidato continuar fazendo entrevistas, sem resolver esse problema, ele coletará uma série de falhas e só cairá em um estado de esgotamento e desvalorização.

O treinador está convencido de que você primeiro precisa fazer a restauração – física, social e mental. É útil mudar para outras tarefas, relaxar com o telefone desligado, rever suas prioridades. E procurar um novo emprego apenas no estado de recursos, quando as forças vão funcionar e o desejo de olhar para frente. E talvez quando o problema em si for resolvido e o desejo de deixar a empresa antiga desapareça.

13. Domestique o medo do desconhecido

Um sentimento comum ao mudar de emprego é o medo de suspense e mudança. Muitas vezes, isso é o que faz as pessoas se apegarem ao trabalho entediado por meses ou até anos. 
“Vamos deixar claro: ter medo do desconhecido é absolutamente normal, somos todos seres vivos, e estes são instintos”, Anna Melamed chama a atenção.

Mas como se ajudar a lidar com esses sentimentos? “Primeiro de tudo, você precisa entender claramente por que você está mudando de emprego, é isso que você está visando”, observa o treinador. “A ansiedade pode ser removida com foco em detalhes específicos – se você definir os principais critérios para o trabalho futuro, como escopo, cargo, motivação, tarefas interessantes, requisitos para o empregador”.

Além disso, de acordo com o especialista, é importante elaborar um plano de procura de emprego, analisar se as qualificações são suficientes para assumir a posição desejada – e, se não, obter treinamento adicional.

14. Solicitar feedback

Deixar a empresa é o momento ideal para entender melhor como seus colegas percebem você. Já que não há restrição do passado: amanhã de manhã você não se encontrará perto do cooler. No futuro, os empregadores provavelmente coletarão feedback de gerentes e colegas sobre você. E é muito útil saber o que será dito e estar pronto para isso. Algumas empresas praticam o chamado. entrevista de fim de semana – isto é, conversas com o empregado que está saindo, em que há uma chance de falar abertamente sobre as razões de sua renúncia e o que o empregador pode melhorar. E não apenas – você pode solicitar feedback do gerente e do gerente de RH sobre você, sobre quais habilidades valeria a pena trabalhar. Aceitar críticas é difícil, mas é necessário para todos que querem crescer.

15. Parte em uma nota positiva.

Se você sair da empresa, mas tratar bem as pessoas com as quais trabalhou – talvez tenha o desejo de acabar de alguma forma. “Esse momento depende da cultura corporativa, das relações existentes e da própria pessoa”, acredita Anna Melamed. “Às vezes os próprios colegas organizam uma festa de despedida com surpresas e presentes para o funcionário que está saindo, e essa é a melhor nota de despedida e nota.” Mas se há um desejo de agradecer a colegas e gerentes, na opinião de Anna, é bem possível fazer um gesto de despedida sozinho.

Newsletter com uma carta de agradecimento, postar na rede social, uma festa de câmara, presentes memoráveis, fotos em geral – você pode escolher qualquer maneira de dizer adeus lindamente, o que você gosta. Resumir Compartilhe memórias do que é bom um para o outro. Se você terminar em relacionamentos difíceis – bem, toda experiência tem valor. E se em excelente, e você sente muito por sair – não fique triste que tenha passado. Sorria porque foi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *