homem ouvindo musica

Como a música afeta a consciência, as emoções e a produtividade

Um par de fones de ouvido e uma lista de reprodução favorita – atributos, sem os quais é difícil imaginar a vida cotidiana. Alguém ajuda a música a se concentrar, alguém – para se animar ou distrair. Cada um tem seus próprios objetivos e sua própria música, mas existem princípios que são comuns a todos. Alexey Shpenkov, fundador da sala de conferências BRAINY, pesquisador sênior da Beehiveor Academy e do R & D Lab, aluno da Universidade Nacional Taras Shevchenko da Ucrânia, professor do Departamento de Fisiologia e Anatomia nos ajudou a entender os mitos e fatos relacionados à música.

Música e estado emocional

Os cientistas identificam vários estágios de emoção ao ouvir música. No topo da hierarquia estão os juízos estéticos que dependem da nossa experiência, e abaixo está o núcleo dos mecanismos biológicos que influenciam a percepção das emoções na música. Esses mecanismos podem ser divididos em conscientes e inconscientes, incluindo reflexos embutidos no tronco cerebral (por exemplo, medo ou surpresa podem ser uma resposta a sons altos).

É necessário distinguir entre dois processos: o reconhecimento das emoções na música e a experiência das emoções associadas à música. Dependendo do nosso estado emocional, o reconhecimento e a experiência das emoções podem ou não coincidir.

Por exemplo, música triste pode causar emoções positivas. De acordo com uma teoria, isso acontece porque a música triste nos ajuda a entender a nós mesmos e a trabalhar em nossos estados negativos. Há uma catarse e uma resposta. O famoso neurologista Oliver Sachs em seu livro “Musicofilia” descreve o caso em que as pessoas após os trágicos eventos se fecharam e por um certo período da vida não sentiram nada. Mas a marcha fúnebre ouvida causou um abalo emocional, lágrimas e depois disso, segundo eles, ficou muito mais fácil.

A música pode doer se você não gostar. Todo mundo sabe de sua experiência que ouvir música que não gosta já é difícil. Isso pode causar fortes emoções negativas, e o estresse afeta nossa saúde e estado fisiológico. Se a música evoca emoções positivas, então esta é a música “nossa”, e não será prejudicial para nós. Se for negativo, então é melhor não escutá-lo, ou encontrar uma abordagem, como entendê-lo, de modo que cause os positivos. Por exemplo, poucas pessoas adoram a ópera, porque esse gênero deve ser estudado e entendido para que possa ser desfrutado.

Música e preferências pessoais

Nos anos 50, os pesquisadores tentaram estabelecer a relação entre as preferências de uma pessoa na música e suas características psicológicas. Há alguns anos, realizamos uma metanálise de trabalhos em que se investigou a dependência de traços de personalidade em um modelo de cinco fatores (extroversão, benevolência, consciência, neuroticismo e abertura a novas experiências) e preferências musicais. Eles revelaram uma correlação muito baixa entre características como abertura à experiência e extroversão e gêneros musicais intensivos (no nível de 0,2 em uma escala, onde 1 é o nível mais alto de correlação, e 0 é sua ausência). Mas, provavelmente, mais pesquisas trarão resultados mais tangíveis. Afinal, somos capazes de prever as preferências musicais de uma pessoa, estar um pouco familiarizado com ele e preferimos nos comunicar com pessoas cujos gostos musicais compartilhamos.

Leia também  Como se tornar mais enérgico, divertido e criativo

Nossas preferências musicais podem ser influenciadas pela experiência passada e pelo ambiente social, mas tudo depende do indivíduo e de quão inclinado é a conformidade. Na maioria das vezes, as pessoas tentam combinar o grupo com o qual interagem, e você pode ver como uma pessoa muda seus gostos para as preferências dos outros. Acontece que gostamos da música que ouvimos no rádio, mas não a mostramos, porque vamos experimentar como ela nos caracteriza e nos nossos gostos. A idade também influencia: por exemplo, os adolescentes ouvem música mais agressiva devido à sua formação hormonal.

Contexto também é importante. Lembre-se da famosa história de como o famoso violinista americano Joshua Bell tocou o violino Stradivari no metrô, e ninguém prestou atenção nele. Apenas uma mulher parou para reconhecer o músico. O oposto é a situação com a ópera – um halo de elevação foi erguido em torno desse gênero, e muitas pessoas vão à ópera apenas por causa de seu status. Eles não gostam da música em si, mas da atmosfera e do ambiente. Esses mecanismos são característicos da percepção da arte em geral, dependendo de nossas atitudes: às vezes as pessoas atribuem gêneros não-massivos aos seus “entes queridos” para enfatizar sua individualidade e peculiaridade.

Música e atividade cerebral

Nosso cérebro tem a capacidade de sincronizar com o ritmo e ritmo da música, já que a transmissão de sinais entre os neurônios é rítmica. E através da música, o cérebro de cada pessoa pode ser sincronizado com os outros. Então, por exemplo, ocorre em shows. O público sincroniza ondas cerebrais em áreas do cérebro associadas à percepção do som: o córtex do som e o córtex motor, responsável pelo movimento. Portanto, é muito conveniente usar música para trabalhos monótonos ou atividades em que a sincronização de muitas pessoas é necessária. O ritmo simplifica a execução de tais tarefas. Um exemplo simples é a linha de frente dos soldados do exército.

Músicos e outras profissões têm diferentes princípios cerebrais. Se você grava atividade elétrica ou faz fMRI do cérebro, verifica-se que, ao ouvir música, o hemisfério esquerdo é mais ativo, ou seja, as zonas de fala, responsáveis ​​pelo processamento, percepção e reprodução da fala e não-músicos – certas.

Os músicos entendem a música de maneira um pouco diferente. Eles associam sons com um sistema de sinais (notas), assim como percebemos os sons da fala, que associamos a unidades de linguagem (letras, palavras). Além disso, os músicos têm mais conexões entre os hemisférios esquerdo e direito e, portanto, a interação entre eles é mais eficiente. Músicos são muito melhores e mais rápidos aprendem novas línguas, eles recebem uma melhor percepção de acentos, eles melhor distinguem as mudanças tonais.

Há um mito de que o hemisfério direito é criativo, e o esquerdo é matemático, e se você quer desenvolver um componente criativo, você precisa, por exemplo, escovar os dentes com a mão esquerda. Mas desta forma, você só melhora suas habilidades motoras da mão esquerda, não habilidades criativas.

Os não-músicos, por outro lado, reagem às melodias em um nível emocional, como se estivessem ouvindo uma língua estrangeira e pudessem apenas selecionar mudanças de entonação. Ou seja, sem sequer entender as palavras, eles ainda poderiam extrair alguma informação do som sobre o estado emocional de outra pessoa.

Leia também  Fórmula para uma entrevista de emprego bem sucedida

Existem muitos conceitos pseudocientíficos que, por exemplo, a música clássica tem um efeito melhor sobre a saúde, e o rock é pior. Daí o “efeito Mozart”, segundo o qual a música clássica supostamente melhora nossas habilidades cognitivas. Este é um mito de que, desde os anos 1980, foi mal interpretado pelos jornalistas e disseminado. Ao mesmo tempo, há música que pode promover, estimular, inspirar: por exemplo, música energética é para atividade física. Mas você precisa entender que até mesmo essa influência é individual.

Há também o mito de que o hemisfério direito é criativo, e o esquerdo é matemático, e se você quer desenvolver um componente criativo, você precisa, por exemplo, escovar os dentes com a mão esquerda. Mas desta forma, você só melhora suas habilidades motoras da mão esquerda, não habilidades criativas. Qualquer função é “bombeada” apenas por sua repetição direta, melhoria. Ou seja, se uma pessoa quiser se tornar mais criativa, precisa se envolver em atividades criativas. Qualquer nova experiência, constantemente repetida, altera as conexões neurais, mas elas serão alteradas nas áreas relacionadas à esfera correspondente.

Novas experiências podem afetar a forma como percebemos o mundo. Por exemplo, aprendemos algo novo sobre um artista – e estamos interessados ​​em seu trabalho. Ou, tendo escutado os álbuns anteriores do grupo, podemos entender como o estilo de som do novo álbum foi formado. Mas esse conhecimento e experiência não afetarão nossas características pessoais profundas. Em vez disso, eles se tornarão o ponto de partida a partir do qual perceberemos novas coisas.

Musicoterapia

A musicoterapia é uma direção bastante antiga, que começou a surgir já na década de 1940, quando músicos iam a hospitais militares, tocavam músicas ou cantavam junto com pacientes.

Existem estudos interessantes sobre o tema da musicoterapia. Por exemplo, pessoas após um derrame recuperam as funções cognitivas ou a memória muito mais rapidamente se ouvirem música de que gostam em comparação com pessoas que, por exemplo, lêem livros ou passam por procedimentos de recuperação padrão. Há também bons resultados com o uso da musicoterapia na doença de Parkinson. Um grupo de pacientes estava envolvido em dançar música, e isso teve um efeito maior do que os exercícios físicos padrão que são prescritos para esses pacientes. Seus movimentos se tornaram mais suaves.

Há também evidências de que ouvir música ajudou pessoas com vários danos às estruturas cerebrais, como as responsáveis ​​pela memória ou pela fala. Afinal, a música está diretamente ligada às emoções, e essas emoções podem estar associadas a certas lembranças.

As pessoas com danos nos centros de fala na musicoterapia intonacional são treinadas para cantar frases que não podem falar. Os centros de fala estão no hemisfério esquerdo e os centros de percepção musical estão condicionalmente à direita. Acontece discurso tonal e melódico. Mesmo quando ouvimos apenas música de que gostamos, a concentração de proteínas da imunoglobulina A, um componente do sistema imunológico, aumenta.

Leia também  Como se livrar do hábito de adiar as tarefas

Música, comportamento e produtividade

Música intensa com ritmo acelerado pode levar a decisões rápidas. As gravações de câmeras de vídeo em supermercados mostram que as pessoas se movem ainda mais rápido ao redor do salão se a música rítmica estiver tocando. Nas horas em que há menos visitantes, eles incluem músicas mais lentas para que as pessoas andem mais e escolham mais produtos. Ou seja, você pode mudar as características da música e, assim, afetar o estado emocional das pessoas.

Há um estudo interessante em que música francesa ou italiana foi colocada em um rack com vinho, e dependendo de qual deles foi tocado, as pessoas mais frequentemente escolheram o vinho apropriado. Além disso, essa escolha foi irresponsável: os compradores não identificaram a música, e as associações de fila estavam pressionando-os a tomar uma decisão. Para quem conhecia os vinhos e poderia fazer uma escolha, sem dúvida, o fator música não teve efeito.

A música sincroniza as pessoas e é mais provável que elas cooperem se ouvirem música durante qualquer atividade. Em um estudo, dois grupos de crianças participaram, e um deles tocou com a música de fundo e o outro sem. As crianças do primeiro grupo eram mais propensas a cooperar com o experimentador e outras crianças. Mas para tal efeito é importante escolher o repertório certo. Afinal, se alguém não gosta da música, ela provavelmente causará emoções negativas, e essa pessoa “cairá” do grupo. É melhor escolher o ritmo que se ajustaria à natureza do trabalho.

A música afeta o estado emocional, do qual, por sua vez, depende nossa produtividade. Existe uma “lei da motivação ideal”: quando estamos emocionalmente super entusiasmados ou não suficientemente motivados, será mais difícil para nós trabalhar.

Algumas pessoas dizem que quando ouvem música, elas trabalham com muito mais eficiência. E o já mencionado “efeito Mozart” não tem nada a ver com isso. Temos dois sistemas de atenção: um externo que responde a estímulos externos e um interno quando nos concentramos em uma tarefa. E quando ligamos a música, nos isolamos do mundo externo, fontes que competirão pela nossa atenção externa. Assim, cortamos o fluxo de atenção externa e nos concentramos no interno. A eficácia deste método depende da capacidade de concentração da pessoa e da própria música: aquela que já conhecemos ou que não causa emoções fortes e lembranças nos distrairá menos do trabalho.

Posts created

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

Begin typing your search term above and press enter to search. Press ESC to cancel.

Back To Top