mulher tomando decisoes

Quando é melhor tomar decisões

Quando se trata de decisões importantes, muitos de nós prestam mais atenção ao processo de adoção. Eles abordam analiticamente, compilam tabelas de opções, pesam todos os prós e contras, coletam o máximo de informações possível. Mas além de pensar em como fazer uma escolha, você também deve pensar em quando fazê-lo.

Quer se trate de uma mudança de carreira ou compra de casa, o primeiro mês do ano parece ser o melhor momento para começar de novo. Além disso, o tempo livre durante as férias empurra para pensar em passos importantes.

Mas janeiro é realmente o melhor para isso? Nós traduzimos o material BBC Future, que ajuda a responder a essa pergunta.

Como vai o humor

Muitas pessoas suportam o inverno com grande dificuldade. Transtornos afetivos sazonais caracterizados por sintomas de depressão durante o período de frio são especialmente prevalentes nas latitudes do norte. Segundo estudos, 7,5% da população sofre depressão sazonal, e a luta com seus sintomas pode durar em média quase seis meses. Mas mesmo aqueles que não estão sujeitos à influência do humor sazonal confirmam: o estado emocional geral piora no inverno.

Humor não afeta apenas como nos sentimos. Também pode afetar a tomada de decisão. Mas isso não significa que a decisão esteja necessariamente errada.

Recompensa de risco

Estando em um estado depressivo, as pessoas estão menos inclinadas a assumir riscos. Isso pode ser devido à menor capacidade de se divertir: eles não têm a mesma reação emocional forte (e otimista) à capacidade de atingir metas ou receber recompensas como outras pessoas.

Por exemplo, os participantes experientes com sintomas depressivos durante um jogo de cartas eram mais difíceis de lembrar que opções tinham maior probabilidade de vencer. O que fez deles jogadores menos afortunados. Eles também eram mais contidos em tomar decisões arriscadas: eles geralmente faziam escolhas seguras com poucas chances de recompensa, em vez de buscar uma estratégia arriscada e potencialmente mais lucrativa.

Isso acontece não apenas nas “condições de laboratório”, mas também na vida. Por exemplo, no inverno, pessoas com sintomas de depressão são mais restritas a tomar decisões financeiras do que aquelas que não são afetadas por essa condição. E isso nem sempre é ruim.

No mundo cor de rosa

A maioria das pessoas tem um problema inverso: uma tendência para o otimismo. Eles acreditam menos que algo ruim pode acontecer com eles (mesmo que as estatísticas digam o contrário), e mais ainda, que seu futuro seja muito mais brilhante do que realmente é. Eles também tendem a pensar que eles têm mais controle sobre o que está acontecendo do que realmente são, especialmente se eles próprios participarem do processo.

Como você pode imaginar, pessoas com uma visão mais pessimista do mundo não caem nessa armadilha. O “realismo deprimido” permite que eles, em vez de otimistas, prevejam como as decisões de outras pessoas irão afetá-los. Mas isso não significa que eles sejam precisos na previsão como um todo – por exemplo, eles prevêem que os resultados das partidas esportivas são piores.

Por outro lado, embora os otimistas estejam inclinados a ver o futuro “em óculos cor-de-rosa”, eles lidam melhor com isso. Grande otimismo está associado a um grande sucesso na carreira, melhores relacionamentos e saúde. Estudos de longo prazo também mostraram que esse efeito vai além da correlação (“Estou otimista porque estou com boa saúde”) e talvez tenha uma relação causal (“Meu otimismo me ajuda a ter uma boa saúde”). Por exemplo, otimistas raramente desenvolvem doença coronariana.

Quando é a hora?

Assim, a relação entre o humor e a capacidade de fazer a escolha certa não é tão simples. Se você for tomar uma decisão importante, pense em que tipo é. Seu resultado pode ser uma perda irrecuperável, o que significa que uma solução exigirá cautela e uma visão realista do problema? Então o melhor momento para ele será o inverno. Mas se a sua escolha exigir apenas determinação e permitir a incerteza do resultado, aguarde os dias quentes de verão e aproveite o bom humor que eles oferecem.

Leia também  Como parar de procurar desculpas e começar a agir

Como aprender a tomar decisões de forma independente

Muitas vezes sabemos o que queremos, mas não podemos decidir sobre isso e colocar a responsabilidade nas mãos erradas. E há sempre uma escolha, e consiste em pelo menos dois pontos – “Fazer / não fazer”, “Sim / Não”, “Eu quero / não quero”. Mas, escolhendo extremos, descartamos alternativas excelentes intermediárias. Vamos ver, por que é tão difícil para nós fazer uma escolha, como aprender a tomar decisões por conta própria e “confiar” neste mundo.

Por que temos medo de fazer uma escolha: as principais razões

As crianças muitas vezes vivem de acordo com uma rotina elaborada pelos pais. As mães / pais / avós sabem melhor como evitar, de forma adequada e diligente, o ancinho. Portanto, as crianças geralmente crescem sem a bagagem necessária para sua própria experiência de vida. Como resultado, as “crianças” adultas não distinguem desejos pessoais e desejos de parentes ou mesmo expectativas sociais.

Outra razão é as expectativas sociais. Muitas vezes ouvimos “é errado / não aceito / o que as pessoas vão dizer / existe tal palavra“ necessário ””, etc. Em tais condições, os desejos e aspirações pessoais não contam. E algum dia, uma pessoa se acostuma a mergulhar profundamente em seus desejos por causa do dever, deixando de fazer sua própria escolha e tomando suas próprias decisões.

Neste caso, a decisão pode e deve ser uma alegria. Isso pode ser aprendido.

Sem plano B

Se você achar difícil decidir sobre uma grande aventura, decida por uma pequena. Por exemplo, não se deixe enganar pelas súplicas dos amigos, se decidir passar a noite em casa com um livro. Ou, por exemplo, comprou uma coisa? Lance um cheque na saída da loja, para não devolvê-lo. Coma o prato que primeiro veio à mente ou chamou a atenção no menu. Tome pequenas decisões e não descubra o que os outros pensam sobre isso. Você decide – você fez. Errado Orgulhosamente aceite este fato.

Auto-análise

Desistir de ligar para os outros “e o que você acha sobre este vestido / cara / trabalho?”, Não os canse com as pesquisas “mas eu estava certo? Eu sou competente o suficiente para isso?

Só você sabe o que você realmente quer e sinceramente faz você feliz. Embora muitas vezes esses desejos tenham que “escavar” sob as pilhas da opinião de outra pessoa. Aprenda a sentir, ouvir o fraco apelo de seus desejos. Portanto, redirecione todas as questões para si mesmo e tome decisões corajosas.

Aprenda a entender as emoções pessoais – aprenda a definir as metas certas (você mesmo!) E, mais importante, alcance-as. Faça a si mesmo a pergunta – “É isto que escolho enquanto vivo o último dia da minha vida? Esta escolha fará com que eu ou meus pais / namorada / amigo fiquemos felizes? ”

A prática de rejeitar um certo sentimento – visão, audição, voz – ajuda a entender as próprias emoções, os desejos do corpo e da alma. Para escolher, amarre os olhos, feche os ouvidos ou não abra a boca por algumas horas ou um dia. Você imediatamente sentirá quão perto está sua conexão consigo mesmo, quais desejos são verdadeiros.

3. Forme corretamente seus desejos.

Esqueça o texto “Eu quero, mas … impossível / distante / caro”. Por que caro? Porque, por exemplo, você ganha um pouco, gasta muito ou ao acaso calcula o orçamento da viagem. Porque não? Porque você, por exemplo, não encontrará tempo para aprender um idioma, procurar alternativas e não contar a ninguém sobre seus desejos. Não lute com você mesmo. Perceba o fato de que você está lutando com o senso comum das pessoas ao seu redor, que decidiram por você que algo é difícil e impossível.

Leia também  Como pensar fora da caixa

Decida o que você quer e pelo menos tente superar os “mas” impostos. A princípio é difícil – não há prática de introspecção com o desdobramento de ações e causas em pequenos “pedaços”, mas há o hábito de escolher o meio mais simples de desculpas. Mas se você quiser, pode encontrar o seu próprio e dar um passo em direção aos seus próprios desejos.

4. Trabalhar na auto-estima

Pessoas auto-duvidosas acreditam firmemente que são indignas de mais. E nisso eles estão certos, mas exatamente até o momento em que começam a “bombear” a auto-estima . Tome práticas corporais (ioga, improviso de contato, dança, atuação) – você verá que o mundo se tornou mais fácil e as pessoas entendem. Pratique seu esporte – veja como sua beleza física transforma sua força mental. Mude seu guarda-roupa e seus hábitos – veja o quão diverso o mundo é, quantas impressões você abriu.

7 técnicas para ajudá-lo a decidir

Você teve que tomar decisões realmente responsáveis? Se sim, provavelmente você sabe como é difícil. Busca constante na cabeça de opções possíveis e aprovação alternativa de um ou outro plano de ação leva a nada. Como aprender a analisar a situação para que a resposta seja mais rápida e eficiente? Existem várias maneiras que você pode adotar.

1. Desenhe um quadrado

Se você gosta de desenhar formas diferentes e preferir soluções gráficas para problemas, o método Descartes Square é apenas para você. Ele permite que você veja a situação de quatro lados diferentes e escolha a opção mais adequada para você.

O que fazer?

1. Desenhe um quadrado no papel e divida-o em 4 partes.

2. Em cada uma das partes você precisa escrever sobre uma questão:

  • – O que acontece se isso acontecer? 
  • – O que acontece se isso não acontecer? 
  • – O que não será se isso acontecer? 
  • – O que não será se isso não acontecer?

3. Honestamente e extensivamente responder as perguntas listadas acima, indicando todos os prós e contras.

Por que deveria funcionar?

Esse método permitirá que você considere a situação de todos os lados possíveis e o force a analisar problemas e aspectos sobre os quais você não quer pensar ou que não percebe. Resuma suas respostas e determine o que você pode ganhar e o que perder. Isso trará a resposta certa.

2. Contamos para 10

Não é necessário contar até 10 para se acalmar e tomar uma decisão sem estar preso às emoções. A essência desse método é completamente diferente.

O que fazer?

Imagine que você já tenha escolhido uma das opções para resolver sua situação e agiu como sua intuição ou razão sugere. Agora pense o que tal passo lhe trará em 10 minutos, 10 meses e 10 anos? Muito provavelmente, depois de 10 minutos você não verá nenhum resultado tangível, mas depois de 10 meses você já pode tirar algumas conclusões. Planejar por 10 anos à frente não é fácil, mas vale a pena tentar – também ajudará a detectar momentos não óbvios.

Por que deveria funcionar?

Este método permite avaliar seus sentimentos atuais a curto e longo prazo. Muitas vezes, ao longo do tempo, consideramos nossas decisões de forma um pouco diferente e chegamos à conclusão de que teríamos agido de forma diferente se tivéssemos uma chance de corrigir tudo. Vá em frente para o futuro agora, para que você não precise se arrepender mais tarde.

3. Estamos esperando

Este método é bem conhecido, talvez, para quase todos. Se você não sabe o que fazer, retire o tempo.

O que fazer?

Na verdade, as táticas de esperar e ver estão longe de serem insignificantes. Funciona se você agir corretamente. Ao lidar com uma situação difícil, tente não tomar uma decisão aqui e agora. Dê-se tempo para se acalmar e se livrar de emoções desnecessárias, que, além disso, também impedem o raciocínio logicamente. Se o tempo permitir, tente não tomar decisões impulsivas. Vá sobre o seu negócio e considere o problema “em segundo plano”.

Leia também  Como levantar cedo disposto

Por que deveria funcionar?

Nossa mente subconsciente é organizada de tal maneira que a resposta para a pergunta necessária não aparece imediatamente. Se você pensar no problema, mas não ficar preso nele, o cérebro pode detectar nuances que você não teria adivinhado imediatamente. Mas tenha em mente que a tática de espera não é adequada para situações em que não sofra atrasos.

4. Fale em inglês

Bons conhecimentos de línguas estrangeiras não só o salvam de certas doenças (de acordo com estudos recentes, o conhecimento de duas ou mais línguas retarda o aparecimento da doença de Alzheimer), mas também o ajuda a tomar as decisões certas. E isso não é brincadeira.

O que fazer?

Pense no seu problema e tente falar sobre isso em uma língua estrangeira. Não importa o quanto de linguagem você usa o inglês, o principal é selecionar palavras cuidadosamente ao formular pensamentos.

Por que deveria funcionar?

Quando falamos uma língua não nativa, não podemos usar todos os epítetos e definições que queremos, temos que falar e explicar de forma diferente. Isso permite que você se livre da emotividade e da “liquidação”, faz com que você opere apenas com fatos e perceba algo que você não percebeu antes.

5. Somos amigos com contradições

Você já notou que somos atraídos por pessoas com visões semelhantes, lemos a imprensa ou livros que, de uma forma ou de outra, confirmam nossas opiniões sobre a vida? Todas as pessoas trabalham dessa maneira – nós subconscientemente rejeitamos um ponto de vista que não nos convém.

O que fazer?

Analise o dilema que você enfrenta do lado desconhecido. Olhe para ele através dos olhos de um adversário ou em termos de uma solução que não combina com você. Em outras palavras, livre-se do preconceito em todos os sentidos.

Por que deveria funcionar?

Tudo é simples – você verá o problema como nunca viu antes e entenderá porque uma solução que anteriormente parecia impossível para você, na verdade, não seria tão ruim ou perdida.

6. Tiramos o lixo

Esse método pode ser emprestado da prática comercial e um pouco modernizado. Seu principal princípio é o rastreio.

O que fazer?

Independentemente e melhor – em conjunto com amigos / parentes, geram o máximo de soluções possíveis que sua situação possa ter. Anote até as opções mais inacreditáveis ​​e comece a classificar cada uma delas. A maioria das propostas provavelmente vai para o lixo, mas as ideias restantes podem ajudá-lo.

Por que deveria funcionar?

Considerando um problema, nós, como regra, nos concentramos em apenas uma abordagem e nos movemos apenas em uma direção. O método do “lixo” permite-lhe distrair-se, descartar tudo o que é supérfluo e deixar apenas passos reais.

7. Não reinvente a roda

Ninguém cancelou os métodos clássicos de tomada de decisão que foram usados ​​por mais de um século. Eles são relevantes até agora.

O que fazer?

  • 1. Pinte os prós e contras de cada decisão e, em seguida, calcule os resultados. 
  • 2. Confie na intuição. Especialmente se nunca falhar você. 
  • 3. Organize o brainstorming. 
  • 4. Realize uma análise SWOT . Analise sua situação e potencial decisão sobre a presença de fortes (Pontos Fortes) e fracos (Fraquezas) partes, oportunidades (Oportunidades), que podem abrir, e ameaças (Ameaças), ameaçando confundir todos os planos.

Por que deveria funcionar?

Para muitos, técnicas bem conhecidas podem ser percebidas e funcionam melhor do que maneiras completamente novas. Mas, ao mesmo tempo, mesmo usando, não tente se enganar ou limitar, ouça o que o subconsciente sugere.

Post criado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo