Como aprender alguma coisa em qualquer idade

senhor fazendo um cubo magico

Ao longo dos anos, nosso cérebro é mais difícil de absorver novas informações. Mas estudos recentes em psicologia e neurociência mostram que, embora possamos enfrentar algumas dificuldades aos 30, 50 ou 90 anos, nosso cérebro ainda pode continuar aprendendo, apesar da idade. E os esforços para dominar uma nova disciplina são mais do que compensados ​​por um aumento no nível intelectual. Os editores do Point publicam recomendações sobre os materiais do BBC Future, como aprender qualquer coisa em qualquer idade.

A teoria de uma “mente envelhecida”

Uma visão pessimista das habilidades da mente de um adulto pode ser rastreada até os antigos gregos. Em seu tratado De Memoria et Reminiscentia, Aristóteles comparou a memória humana com um comprimido de cera. No início da vida, nossa “cera” é quente e maleável, mas com o tempo ela esfria e se torna muito dura e quebradiça para formar novas impressões. Como resultado, nossa memória sofre.

Mais tarde, após milênios, os cientistas repetiram essa visão. Neurocientistas até começaram a usar a palavra que descreve a adaptabilidade do cérebro – a neuroplasticidade. Assemelha-se à mesma cera maleável de que Aristóteles falou. E com a idade, grande parte dessa plasticidade é gradualmente perdida. Em particular, a infância foi considerada um “período crítico” para a formação de impressões e conhecimentos básicos sobre o mundo. No final deste período, os padrões cerebrais começam a desacelerar, dificultando o domínio de muitas habilidades complexas.

Provas convincentes dessa teoria baseavam-se em exemplos de pessoas que ensinavam uma segunda língua. Crianças pequenas que vieram com suas famílias para um novo país, muito mais fácil de atingir um nível descontrolado do que, por exemplo, seus irmãos e irmãs mais velhos ou pais. Mas, depois de analisar os dados do censo dos imigrantes, Ellen Bialistok, da York University, em Toronto, explicou o sucesso das crianças pelo fato de que elas estavam simplesmente imersas no ambiente certo: tinham mais oportunidades de dominar uma língua estrangeira com o apoio da escola e dos colegas. E, além disso, crianças menos que os adultos têm medo de erros no processo de aprendizagem.

Destruição do mito

Alexander Hemon, um escritor americano de origem bósnia, veio de Sarajevo para os Estados Unidos no início da guerra da Bósnia em 1992. Para o trabalho e a vida ele precisava continuar escrevendo, mas não falava a principal ferramenta, a língua inglesa. Então ele mergulhou no ambiente da linguagem. Por três anos, Hemon publicou sua primeira peça em uma revista americana e, finalmente, seu caminho levou a três romances aclamados pela crítica, duas coleções de contos, um livro de ensaios autobiográficos e bolsas de estudo da MacArthur.

O novo domínio de Hemon seria quase impossível se a linguagem fosse dada exclusivamente a um “período crítico” – a infância. Mas a clara determinação do escritor e a situação em que ele se encontrava alimentou sua capacidade de aprender na idade adulta.

Evidentemente, ainda é mais fácil para as crianças aprenderem certas habilidades, especialmente aquelas relacionadas à percepção, por exemplo, para falar sem um sotaque. Mas esse fator não é determinativo. Você pode, sem sucesso, tentar falar como um falante nativo, e ainda se tornar um romancista de sucesso. Tal progresso de aprendizagem surpreendente é possível em muitas áreas diferentes, e os adultos freqüentemente acham que são capazes de compensar algumas das deficiências com maior capacidade de analisar, analisar e disciplinar.

Como dominar novas informações

1. Treine sua memória, confiando nela com mais frequência

Uma simples falta de confiança pode ser a maior barreira para o aprendizado, especialmente para a geração mais velha. Ao longo dos anos, as pessoas experimentam cada vez mais o medo de anormalidades cognitivas comuns – por exemplo, elas temem a perda de memória.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, em Greensboro, mostraram que adultos (com 60 anos ou mais) frequentemente subestimam o poder de sua própria memória, o que os impede de usar suas habilidades. Eles preferem uma maneira mais demorada de resolver o problema do que confiar na memória.

Os participantes do experimento receberam uma lista de tarefas para o cálculo, que foram repetidas periodicamente. Os participantes mais jovens, percebendo isso, logo começaram a relembrar e registrar suas respostas anteriores, enquanto seus colegas mais velhos de qualquer maneira ainda realizavam cálculos do zero. Eles possuíam sua memória, só preferiam não confiar nela.

Esse hábito pode limitar muitas atividades diárias. Por exemplo, para usar o GPS enquanto estiver dirigindo, mesmo que a rota seja conhecida, ou siga a receita passo a passo, em vez de tentar reproduzir todos os passos familiares. No final, essa desconfiança pode se tornar uma profecia auto-realizável: nossas propriedades de memória diminuem gradualmente se não forem usadas. 
Precisamos obter mais feedback sobre o nosso trabalho, para confirmar a precisão da memória no momento certo. Isso encoraja mais frequentemente a confiar em suas memórias e, como resultado, desenvolve habilidades ainda melhores para fazê-lo. Romper as barreiras psicológicas para aprender, e logo você verá os benefícios que ela tem – incluindo uma mente mais afiada.

2. Mudar de meta de aprendizagem para processo

Não importa quantos anos você tem e o que gostaria de aprender – o próprio processo de aprendizado ajudará a melhorar a memória e a capacidade de aprender no futuro.

200 participantes de outro experimento foram divididos em grupos. Cada um recebeu um programa de classes diferentes: era necessário fazer 15 horas por semana durante três meses. Alguns precisavam aprender novas habilidades, como a fotografia digital, que poderiam desafiar sua memória e atenção de longo prazo. Outros receberam tarefas mais passivas, como ouvir música clássica, resolver palavras cruzadas ou viajar para atrações locais. No início e no final do experimento, os participantes passaram no teste de memória.

Os resultados mostraram que apenas as pessoas que descobriram uma nova área melhoraram significativamente seu desempenho. Por exemplo, 76% dos fotógrafos apresentaram uma pontuação mais alta no segundo teste de memória. Exames cerebrais mostraram que isso afetou mudanças de longo prazo nas áreas responsáveis ​​pela atenção e concentração. Passatempo ativo levou a atividade cerebral mais efetiva – semelhante àquela que poderia ser observada em uma idade jovem. Ao mesmo tempo, ações passivas, como ouvir música, não levaram a mudanças no cérebro. Também é importante notar que o efeito do experimento durou mais de um ano depois que os participantes completaram o curso.

Como os pesquisadores enfatizam, nenhum treinamento cerebral baseado em computador popular pode afetar o trabalho do cérebro, tanto quanto o desenvolvimento de um novo hobby ou campo de conhecimento. E isso se torna outra razão pela qual o processo de aprendizagem deve nos acompanhar ao longo da vida.

3. Faça uma escolha em favor de um estranho

Quando falamos sobre o estudo de algo novo, então, como regra, queremos dizer esferas adjacentes àquelas que já conhecemos bem. Mas não importa o quão assustador seja se transformar em um caminho inexplorado, vale a pena o esforço.

Um ponto importante no treinamento de suas habilidades para aprender é a escolha de algo que exija um trabalho mental longo e ativo. Esta tarefa deve desafiar você pessoalmente. Se você é pianista, pode obter mais benefícios aprendendo uma nova língua do que de outro instrumento musical. Se você é um artista, tente esportes.

Você ficará surpreso com os resultados. Mesmo que a esfera em si não cause nenhum desejo de continuar a dominá-la, você continuará interessado no processo de aprendizado. Ao escolher outra coisa, você tem mais chances de aprender.

4 dicas importantes sobre como aprender algo novo

No processo de aprender algo novo, seja uma nova língua estrangeira, um passatempo interessante ou um novo lado da sua profissão, muitas vezes há dúvidas sobre dúvidas ou simplesmente motivação perdida. Um bem conhecido blogueiro de autodesenvolvimento, Leo Babauta, em seu blog Zen Habbits, compartilhou dicas sobre como mudar sua atitude, de modo que aprender qualquer nova habilidade seria eficaz e recompensador.

Foco estreito

“Sim, é verdade que há muitas coisas que você quer aprender. Mas isso se aplica a todos os aspectos da vida – há muitas coisas no mundo que quero ver e fazer, mas ninguém pode fazer tudo. O melhor de tudo é avançar passo a passo.

Portanto, você não deve se concentrar em todas as incontáveis ​​tocas que ainda precisam ser estudadas. Pergunte a si mesmo, que pequena esfera você pode estudar agora? Que foco você pode escolher? Que pequena área para explorar?

Ignore todo o território não mapeado. Apenas faça uma coisa. Um pequeno passo, vários pequenos passos todos os dias, e podemos aprender muito.

Transforme a derrota no lado vencedor

Não podemos testar nosso conhecimento até que testemos e veremos se funciona. E também não podemos realmente aprender algo novo até que tentemos.

Foi assim que todos aprendemos a andar … cambaleando, caindo até funcionar.

Infelizmente, em algum momento nos tornamos medo do fracasso, e esse medo nos restringe. Embora, na realidade, o fracasso seja um processo de aprendizado.

Portanto, em vez de ver o fracasso como um “momento ruim”, precisamos virá-lo de cabeça para baixo. O fracasso é uma lição, uma oportunidade para se tornar melhor, para entender o que precisa ser focado.

Faça o processo em si um prazer

No processo de aprender qualquer negócio é difícil aceitar que tudo se move muito devagar. Queremos alcançar o nível de especialista o mais rápido possível (ou, pelo menos, o “iniciante avançado”), e quando isso leva cinco vezes mais do que o esperado, ficamos chateados e perdemos nossa motivação.

Neste caso, vale a pena esquecer o ritmo do nosso progresso e concentrar-nos apenas no processo de aprendizagem.

Isto é como uma viagem quando a longa jornada é decepcionante. Em vez de emoções negativas, é melhor se concentrar na jornada em si – apreciar a paisagem, o movimento, a beleza de cada etapa.

Desfrute da ignorância

Normalmente, somos tímidos de ignorância. Por exemplo, uma pessoa que aprende uma linguagem muitas vezes tem medo de falar ou um músico que aprende a tocar um instrumento é demonstrar sua criatividade. No processo de aprendizagem é completamente desnecessário. Mudança consciente de sua atitude pode ajudar a seguir em frente.

Tome ignorância como um jogo. É criatividade, descoberta, curiosidade, experiência e abertura para algo novo ”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *